Tendo em vista o fato ocorrido no dia de hoje (31 de agosto), em que o Tribunal de Justiça, através do Sr. Ricardo Lins, Diretor Geral do Poder Judiciário teve uma atitude descortês com o Ilustre Presidente do Sindicato dos oficiais de justiça de Pernambuco, o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Pernambuco – SINDJUD PE, vem a público externar nosso total repúdio ao Diretor Geral que há anos representa um atraso para a carreira dos Servidores sendo, sempre, um entrave nas negociações entre as entidades representativas e a chefia deste poder. Vale ressaltar, que nossos representantes são eleitos, de forma legítima, pela categoria além de terem entrado nesta casa através de concurso público. Por isto, conclamamos que ainda haja respeito neste órgão para com nossos pares. É inadmissível uma atitude tão imatura ao ponto de chamar um Dirigente Sindical para as vias de fato. Tal postura só nos leva a crer que este, por sua vez, não possui capacidade para permanecer em um cargo de tamanha responsabilidade que representa a todos nós que fazemos parte desta estrutura. Por vezes, esta Diretoria Geral junto com a Assessoria Especial da Presidência, deram a entender que haveria um acordo entre 4% e 6% este ano e por isto há muito tempo vinha postergando as reuniões. Mantivemos nossa categoria mobilizada como forma de reivindicação justa, legítima e sem deflagrar greve confiando na palavra dos senhores de que as negociações estavam avançando. As reuniões vinham sendo postergadas num ritmo bastante extenso e coincidentemente com o período em que o supremo tribunal federal lhe concedeu, gerando efeito cascata, um percentual de reajuste de 16,38%, o TJPE encerra as negociações com uma nota lamentável prometendo um percentual ainda para o ano que vem, a depender de dotação orçamentária e da aprovação do pleno. Há de se considerar que na gestão passada, quando PJPE era presidido pelo Des. Leopoldo Raposo, houve uma promessa de reajuste em nosso auxílio-saúde no valor de R$ 150,00 (valor irrisório) e não foi cumprida. Destarte, o ofício assinado também pela gestão passada onde se comprometia em criar uma política de remoção com critérios objetivos, justos e transparentes também, até hoje, não saiu do papel fazendo com que este pleito, tendenciosamente, esteja condicionado às novas nomeações. Uma simples carteira funcional, esta instituição não foi capaz de honrar. Como pode haver confiança numa promessa de tamanha importância quando não conseguimos uma eficácia em simples compromissos? Se tal proposta é verídica e há previsibilidade de receita, por que não formalizá-la, através de um projeto de lei, com o percentual de 6% para janeiro de 2019 e sua devida replicação do mesmo percentual para maio (data-base) 2019? A sensação é de que fomos ludibriados pela própria justiça pela qual tanto nos empenhamos em impulsioná-la. Nos recusamos a realizar qualquer tratativa com a pessoa do Sr. Ricardo Lins, enquanto este permanecer na Diretoria Geral do nosso Poder Judiciário de Pernambuco por inviabilizar uma boa relação diplomática. Neste contexto, apelamos ao Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça de Pernambuco, Des. Adalberto Oliveira, que assuma os rumos da mesa de negociação com as entidades representativas dos Servidores do TJPE por acreditarmos que Vossa Excelência nos receberá cumprindo o princípio constitucional da isonomia não cabendo qualquer distrato por parte dos membros do Poder Judiciário a Servidores e usuários.

SINDJUD PE

Versão PDF – CLIQUE AQUI