Filiado a:

Lutar é a única saída!

por | out 11, 2021 | Destaque Home, Notícias | 0 Comentários

Artigo de opinião de Giuseppe Mascena, coordenação de administração do SINDJUD-PE

“Eu acredito é na rapaziada
Que segue em frente e segura o rojão
Eu ponho fé é na fé da moçada
Que não foge da fera e enfrenta o leão”

Gonzaguinha

Desde que houve a ascensão do neoliberalismo enquanto modelo econômico dominante no ocidente, a partir dos anos 70, a classe trabalhadora tem sofrido com a ofensiva para desregulamentação de direitos, tanto trabalhistas, quanto sociais. O discurso de modernizar as relações trabalhistas vem sempre como artimanha para baixar a remuneração dos(as) trabalhadores(as). Desde então, há também um ataque à luta sindical: repressão, perseguição e mudanças legislativas têm como pano de fundo enfraquecer o poder de mobilização. Há uma lógica clara: quanto mais forte o movimento sindical, maior é a defesa e a remuneração dos(as) trabalhadores(as). A recíproca também é verdadeira: categoria desmobilizada tem seus direitos desidratados.

No bojo desse contexto, muitas vezes a nossa categoria confunde qual é o papel de um sindicato, tratando-o como um balcão de informações sobre os rumos da campanha salarial e outros benefícios, ou quando se publica alguma nova normativa da gestão do TJPE.

Assim, é comum algum(a) servidor(a) se dirigir a algum(a) dos(as) coordenadores(as) para saber “o que saiu de bom pra gente?”. Essa indagação tem um motivo lógico: o sindicato é quem faz, perante o tribunal, a negociação salarial.

No entanto, há também uma contradição na pergunta: se o(a) servidor(a) não é filiado(a) – no TJPE a categoria gira em torno de 7000 servidores(as) e o SINDJUD-PE tem em torno de 2000 filiados(as) –, não participa das assembleias, não acompanha os atos (sejam virtuais ou presenciais) como a categoria irá conseguir boas novas? É necessário deixar claro, mesmo sendo óbvio, que sem luta não há conquistas! Mesmo que a luta seja de apenas alguns poucos, imagine quando todo nosso potencial de atuação for efetivado?

Nesse contexto, a pergunta correta deve ser: “como posso fortalecer a luta?” e não somente aguardar os resultados de uma forma passiva.

Outro ponto a ser mencionado é a função do sindicato. O sindicato serve essencialmente para lutar por melhorias salariais, melhores condições de saúde e trabalho, além de defender a categoria de injustiças e retiradas de direitos, não apenas aquilo que se refere ao TJPE, mas de Governo estadual e federal no que possa nos atingir. Então, afora a luta por remuneração mais justa e contra as perdas inflacionárias, é urgente que sejam implementadas, novas regulamentações de remoção e de teletrabalho, luta incisiva contra assédio (um dos principais males do TJPE), maior clareza quanto às atribuições de cada cargo/função, dentre outros.

O SINDJUD-PE não se furta de sua missão enquanto dirigente de classe, organizando atos, debates, lives, formação política, assembleias, plenárias, reuniões, visita às unidades de trabalho, afora as postagens diárias no site e nas redes sociais. Todo esse trabalho visa a união da categoria! É de suma importância a participação maciça dos(as) trabalhadores(as) do TJPE nessas atividades. A coordenação está sempre aberta para debater a melhor forma de interagir com a categoria. No entanto, caso a participação não se intensifique, as conquistas também não irão ser de acordo com os anseios. Por isso, relembramos a nossa já reconhecida canção de chamadas de assembleias: “vamos amigo, lute! Se não a gente acaba perdendo o que já conquistou!”.

Por fim, cabe lembrar que já galgamos inúmeras vitórias com a mobilização da categoria, como na greve de 2011, que apesar de vários cortes no ponto evitou o aumento da carga horária de trabalho de 6(seis) para 7(sete) horas; 2015, em que o nosso plano de cargos e carreiras foi conquistado após dezenas de paralisações; dos reajustes implementados em 2019, os quais também decorreram de várias mobilizações no ano de 2018; os primeiros editais de remoção, nos quais, pela primeira vez na história do TJPE, dezenas de colegas foram removidos sem anuência da magistratura; o retorno do auxílio alimentação em 2020 durante a pandemia e a recente conquista acerca do “TJPE Conectado”, também resultante de muito esforço da categoria. E aqui me refiro apenas às conquistas mais gerais, afora a defesa e vitória em inúmeros casos de processos administrativos, dentre outros.

Portanto, vamos à luta que as conquistas virão. Lutar é vencer!