Os Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco vêm buscando alternativas de negociação com a instituição por estarem há três anos consecutivos sem receberem a reposição inflacionária que já somam 28,86% de perdas salariais. Por isto, a categoria decidiu demonstrar sua insatisfação e exigir um posicionamento do TJPE com a paralisação integral das atividades nos dias (31) de Julho e (02) de agosto aprovada na última Assembleia realizada pelo Sindicato dos Servidores (24/07).

A paralisação ocorreu dentro da legalidade, de forma ordeira e organizada tanto na capital como no interior. Os Servidores também decidiram diminuir as publicações no Diário de Justiça Eletrônico (DJe) nos dias de paralisação, que registrou no primeiro dia apenas 764 páginas e no segundo dia 944, totalizando uma queda na produtividade de, aproximadamente, 30%.

O SINDJUD PE divulgou todas as orientações para serem seguidas pelos Fóruns, Varas, Juizados e Comarcas da capital e do interior. Todos, e absolutamente todos, tinham o material à disposição através do site oficial do sindicato e das redes sociais, bem como nos grupos do telegram e whatsapp. Este consistia em avisos, comunicados, faixas em lona para área externa, panfletagem e carro de som informando, constantemente, que os serviços estavam suspensos durante os dias de paralisação explicitando o impacto que tais ações acarretariam na sociedade.

A comunicação institucional do SINDJUD PE realizou regime de plantão onde foi possível acompanhar todos os registros postados e encaminhá-los para fan page da instituição no facebook a fim de identificar e apresentar quais os espaços estavam parados e aderindo ao que foi decidido em Assembleia. Os Servidores decidiram usar roupas na cor preta e permanecer fora das unidades realizando ações de conscientização da mobilização, bem como informando aos desavisados que as atividades estavam suspensas e que as audiências seriam remarcadas. Dando seguimento ao que foi decidido também na Assembleia, foi realizada uma foto oficial no Hall Monumental do Fórum Rodolfo Aureliano às 10h e também às 15h nos dois dias de paralisação que se seguiram como também um grande “apitaço” no intuito de avisar e incomodar aqueles que ainda silenciam diante desta situação.

Como avaliação geral, a Diretoria do SINDJUD PE se mostra satisfeita e saúda a todos que aderiram, que se posicionaram, que registraram, acompanharam, curtiram e comentaram acerca do conteúdo em todas as mídias. Foi perceptível o aumento na adesão à paralisação integral e o sentimento de apoio e unificação de uns para com os outros se mostrou um diferencial em todos os grupos. Aqueles que possuíam alguma dúvida no movimento, acabaram aderindo quando viram seus colegas de trabalho, mesmo de comarcas distantes, paralisando as atividades e registrando a luta sindical.

O trabalho não foi apenas do Sindicato, mas de cada Servidor do TJPE que já não suporta as exaustivas promessas da instituição e com isto mostrou sua indignação. Vale salientar que os Servidores não desejam nada além do que determina a lei. E para que os Servidores voltem a seu ritmo de 100% no trabalho, o TJPE precisa se posicionar e apresentar uma proposta que contemple a pauta da categoria protocolada no início do ano para a presidência do tribunal de justiça. Caso contrário, a categoria se compromete em continuar apoiando e seguindo as propostas aprovadas em Assembleia do SINDJUD PE que reafirma o compromisso em defender com Respeito e Transparência todos os pleitos dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco.

Respectivamente: Vitória de Santo Antão, Vara de Violência Doméstica (Olinda), Vara de Execução Penal da Capital, Tracunhaém, Timbaúba, Serra Talhada, São Vicente Ferrer, Petrolina, Tabira e Recife.

Respectivamente: Parnamirim, Olinda, Macaparana, Limoeiro, Petrolina, Paulista, Lagoa Grande, Lagoa do Ouro, João Alfredo e Jaboatão dos Guararapes.

Respectivamente: Itambé, Gravatá, Limoeiro, Jaboatão dos Guararapes, Paulista, Goiana, Garanhuns, Centro Integrado da Criança e Adolescente, Juizados Especiais – Caruaru (Fórum Antigo) e Belém do São Francisco.

Respectivamente: Afogados da Ingazeira, Central de Juizados da Capital, Caruaru, Carpina, Cabo de Santo Agostinho, Belo Jardim, 1ª Vara da Infância e Juventude da Capital, Arcoverde, 1ª Vara de Violência Doméstica da Capital e 5ª – 6ª – 7ª Varas da Família da Capital.

Respectivamente: Floresta, 5ª Vara Criminal da Capital, Centro Integrado da Criança e Adolescente, Central de Juizados da Capital, Cabo de Santo Agostinho, Bom Jardim, Bezerros, Belo Jardim, Araripina e Afogados da Ingazeira.

Respectivamente: 1ª e 2ª Varas de Petrolândia, 1ª Vara da Infância e Juventude da Capital, Abreu e Lima, Glória do Goitá, Ouricuri, Jaboatão dos Guararapes e Paulista.