Parabéns aos que:

– São chamados de Marajás, mas acumulam 18% de Perdas Inflacionárias desde 2009 e tiveram seu Direito Constitucional de Reposição Salarial tolhido ficando com 0% em 2017 e 0% previsto para 2018 como também tiveram o auxílio-saúde (R$ 150,00) negado aos inativos que são os que mais precisam;

– São chamados de Ineficientes, mas têm que se virar com uma estrutura pública limitada onde a licitação de carimbos foi revogada quado o TJPE queria comprar iPhone 7 Plus/Galaxy S8 para Desembargadores;

– São chamados de Acomodados, mas obrigatoriamente se qualificam todo ano na carreira obedecendo a Resolução nº 381/2015 lhes sendo exigidos até Mestrado e Doutorado (sem direito à licença remunerada para estudos) para quem, na época do seu concurso, tinha como requisito apenas o nível fundamental, médio ou superior enquanto raros desembargadores (todos têm direito à licença remunerada para estudos) possuem o grau acadêmico de Mestre ou Doutor;

– São culpados pelo rombo da Previdência, mas contribuem acima do que um trabalhador da iniciativa privada contribui e nem recebem do INSS por terem previdência própria e superavitária (FUNAFIN);

– Dizem que recebem Super Salários, mas nenhum ultrapassa o Teto Constitucional, ao contrário de muitos Juízes e Desembargadores que deveriam ser o maior exemplo de respeito à Constituição;

– Dizem que não podem ser demitidos, mas o TJPE demitiu uma servidora por ter esquecido uma informação pessoal numa declaração sobre ela mesma;

– Dizem que não fazem nada; mas fazem horas extras em plantões de finais de semana e feriados pelas quais não recebem pagamento, nem transporte, nem alimentação por isso e a compensação ainda não é justa, pois não se leva em conta que o dia trabalhado não é dia útil nem tem horário certo para o plantão terminar podendo se estender por horas insalubres até a madrugada por causa das audiências de custódia;

– Querem acabar com a sua Estabilidade (garantia de imparcialidade no serviço público prestado à sociedade), mas não querem dar o direito de ter FGTS;

– Que quando se criticam os benefícios do Poder Judiciário são elevados ao mesmo patamar de Juízes e Desembargadores, mas não recebem e ainda rejeitam o Auxílio-Moradia que é quase o salário de um Servidor e que alguns Juízes/Desembargadores, que são casados e moram na mesma residência, recebem cada um a sua benesse individualmente;

– Que quando se publica o gasto com a Folha de Pagamento do Poder Judiciário são incluídos no custo da magistratura, mas não têm o direito de receber substituição de funções gratificadas por menos de 30 dias em caso de afastamentos, licenças ou férias do titular, não pode advogar, não pode ter outro vínculo público nem outro emprego, não têm direito a acumulações;

– Que são taxados de classe privilegiada, mas sofrem altíssimo grau de Assédio Moral por trabalharem diretamente com quem tem o poder de julgar nas mãos;

– Que são confundidos com uma parcela desqualificada que não entrou no serviço público por meio de concurso, no entanto entraram sem apadrinhamento político mas por qualificação e mérito pessoal comprovados através do certame;

– Que quando atingem metas exaustivas nunca saem na foto, mas são os primeiros a atenderem o público e profissionais do Direito na unidade judiciária e são os responsáveis em dar andamento a uma demanda incalculável de processos pelo qual seu grau de comprometimento e responsabilidade o obriga a levar trabalho para casa;

A verdadeira força de trabalho do Poder Judiciário é formada por Servidores e auxiliares (95,9%) e não por magistrados (apenas 4,1%), mas não se assuste se no caso das despesas os percentuais forem invertidos…

28 de Outubro – Dia do Servidor Público

Servidor do Poder Judiciário, você é nosso verdadeiro herói da justiça! PARABÉNS pelo seu dia!