O SIND-JUSTIÇA vem a público manifestar o seu profundo repúdio e vergonha (mas nenhuma surpresa) diante da retaliação por parte do Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Desembargador Milton Fernandes, em relação às sérias denúncias que fizemos nos últimos dias, envolvendo a Administração do TJRJ. 

Levamos ao conhecimento de todos a academia que funciona no prédio do Tribunal de Justiça, que custa milhões de reais aos cofres públicos e atende exclusivamente a magistrados e seus parentes. 

Também lançamos a edição especial da revista SIND-JUSTIÇA, com mais denúncias envolvendo nepotismo, benesses, contratos suspeitos, gastos secretos e destinação de custas para entidades privadas, entre as quais a Mútua dos Magistrados.

Em casos como este, geralmente, a parte denunciada vem a público e se manifesta. Porém, quando não há explicação, o denunciado ataca quem denunciou, para tentar calar e desviar o foco das denúncias. Foi exatamente o que aconteceu. E eles nem disfarçaram. Vejam.

O processo 2015-004510 (que trata das licenças sindicais) estava arquivado desde 04/10/2016. Mas vejam a velocidade impressionante deste processo na data de hoje (24/08):

24/08/2017 – O processo foi desarquivado

24/08/2017 – O processo foi encaminhado para a DGPES

24/08/2017 – O processo foi para a assessoria jurídica da DGPES

24/08/2017 – O processo foi encaminhado, a pedido, para o gabinete da Presidência

24/08/2017 – O processo recebeu um despacho do presidente, em conjunto com o Corregedor, com um texto tão grande que encheu 4 páginas inteiras do DO. 

Tudo isso em um único dia. Velocidade sem precedentes não somente na história do TJ, como da justiça brasileira. Recorde mundial de eficiência? ou recorde mundial de retaliação?

Sem explicar o desarquivamento ter ocorrido coincidentemente na semana em que fizemos as denúncias, o presidente simplesmente cassou as licenças sindicais do Sind-Justiça, mantendo apenas 4 diretores.

Somos um Sindicato de grande porte. A nossa categoria possui cerca de 14 mil servidores e temos cerca de 14 mil associados ao SIND-JUSTIÇA, fruto da credibilidade e da seriedade do nosso trabalho, que tanto incomoda. Trabalhamos muito para atender aos nossos associados e defendê-los dos ataques do governo e do próprio TJ. Por isso, precisamos das licenças.

Porém, se a Administração pensa que vai nos calar com corte de licença está muito enganada. Aliás, se tivessem estudado, saberiam que não é a primeira vez que o TJRJ tenta calar o SIND-JUSTIÇA para sufocar denúncias. Outras gestões autoritárias, pouco democráticas e despreparadas tentaram o mesmo. E, tal como agora, sempre preferimos perder licenças do que perder a nossa voz e a nossa dignidade. 

E haverá mais denúncias, Presidente. Não tenha dúvidas. Porque enquanto houver o uso vergonhoso de dinheiro público para a verdadeira farra que se faz neste Tribunal em benefício da magistratura, haverá o Sind-Justiça denunciando. Com licença ou sem licença. 

Levaremos ao CNJ imediatamente esta vergonhosa artimanha do Tribunal para calar as nossas denúncias. O Tribunal de Justiça do Rio talvez não tenha entendido que o país vive um momento de mudança, sem espaço para este tipo de desmando, autoritarismo e vingança. A relação casa Grande & Senzala já encerrou o seu ciclo. Só a magistratura não entendeu isso, insistindo em seus supersalários, seu assédio moral, seu péssimo uso de dinheiro público, seus penduricalhos, suas perseguições e suas retaliações, que envergonham a categoria e chocam a sociedade. 

Denunciaremos também aos órgãos internacionais a situação da Justiça do Rio de Janeiro, que deveria dar o exemplo, mas é a primeira a tentar calar quem denuncia as coisas erradas. Ou tentam calar, sem sucesso. 

Em nome do Poder Judiciário, pedimos desculpas à população pelo péssimo exemplo vindo do TJRJ, que deveria fazer justiça. Sabemos que vocês sempre esperam mais do que isso de um Tribunal de Justiça.

Nós também. A sociedade merece muito mais do que isso. E teremos, um dia, não temos a menor dúvida. Provavelmente quando a Lava Jato se transformar em Lava Toga e restabelecer a moralidade no Poder Judiciário.

SIND-JUSTIÇA – SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NÃO NOS CALARÃO!

DIREÇÃO GERAL:

Alzimar Andrade

Fred Barcellos

Ramon Carrera29